Blog

02 Mai 2018 Por que a China é líder mundial em carros elétricos?

Em 2017 foram vendidos 1,2 milhão de carros elétricos em todo o planeta.

Destes, metade foi para o mercado chinês – mais de 100 mil deles, apenas em dezembro. É muito se pensarmos em nível global, mas pouco para o mercado local: os elétricos corresponderam a 2,1% do total das vendas de automóveis no país.

Mesmo com participação reduzida, carros elétricos são figuras fáceis nas ruas das cidades chinesas. Derivados de carros convencionais, eles se misturam no trânsito e você só repara neles quando vê um ou outro detalhe azul, não escuta o barulho do motor ou vê um logotipo “EV” na carroceria. A previsão é que os elétricos e híbridos respondam por 8% das vendas de automóveis na China este ano.

Mas o governo chinês já determinou que 20% dos carros em circulação na China em 2025 deverão ser eletrificados ou movidos a combustíveis alternativos. É possível e não faltam incentivos para isso. Uma futura proibição de carros novos com motores a combustão já é considerada pelo governo local, que exigiu que as fabricantes instaladas no país dupliquem a autonomia das baterias de veículos elétricos até 2020. Isso não é problema para a China, que tem seis das dez maiores fábricas de baterias de íon lítio do mundo. A principal delas, da CATL, será maior do que a fábrica de baterias da Tesla nos EUA em 2020, mas já deixou a sul-coreana LG Chem (com quatro fábricas na China) e a local BYD – que também faz automóveis – para trás.

A CATL recebeu investimento de US$ 15 milhões do governo local. Além disso, uma regra que estabelece uma produção mínima de 8 gigawatts-hora (GWh) de baterias no ano para que as empresas do ramo continuem atuando também a beneficia. Isso força os fabricantes menores a desistir do negócio ou vender sua empresa para outras maiores. Enquanto em outros países, como o Brasil, carros 100% elétricos ainda são considerados exóticos. O governo local promove os veículos elétricos com a intenção de reduzir a poluição que freqüentemente envolve cidades chinesas – naturalmente grandes, quando se trata de um país com 1,3 bilhão de habitantes.

Em Pequim e Tianjin, por exemplo, veículos eletrificados não sofrem com limitação de números de emplacamentos para carros novos e estão isentos de restrições de circulação em determinados dias da semana (equivalente ao rodízio da cidade de São Paulo). Também houve investimento público em fabricantes de automóveis locais para que produzissem carros elétricos e híbridos. Hoje, contudo, o aporte vale apenas para dez fabricantes locais que compartilharão seus sistemas eletrificados entre si.